30 setembro 2015

Violência doméstica - DENUNCIE!


Eu poderia começar contando tudo de uma forma detalhada. Mas essa história não diz respeito somente à mim, portanto, vou falar de um contexto geral.

Arquivo pessoal.


Quando eu tinha 2 anos minha mãe casou novamente, com o grande amor da sua vida. Por todos esses anos eu o amei como pai, e tínhamos a melhor das relações.
Só que ele tinha um problema: era alcoólatra.

Durante todos esses anos nós o apoiamos, com todas as nossas forças lutamos contra esse vício maldito. Os anos foram passando, o vício aumentando e as reações começaram a aparecer. 
Qualquer discussão começou a ser motivo de agressão verbal.

Eu tinha 07 anos, véspera do meu aniversário, uma discussão boba acabou em agressão física. Maldito dia. Malditos meses seguidos... maldita angústia em ver minha mãe chorar, com pontos na cabeça e sem saber como agir com minha irmã ainda pequena. Maldita síndrome do pânico, medo de virar a esquina e dar de cara com aquela pessoa que era seu herói.

Mudança de cidade, de vida, reataram. Perdão, juras e promessas de mudanças, anos sem beber e tudo à tona. Voltou TUDO de novo. 

Exceto as agressões físicas, porque no dia 19 de dezembro eu jurei para quem quisesse ouvir que eu NUNCA MAIS deixaria que isso acontecesse novamente. E assim fiz.

Foram intermináveis noites em claro, colocando ele para fora madrugada à dentro, pedindo para que deixasse-nos em paz, discussões com faca em punho, policiais debochando da situação enquanto eu pedia socorro no telefone, ameaças, surtos, insônia, coração acelerado.

Passava o efeito e ele voltava a ser a pessoa mais incrível do mundo, meu super herói, aquele que me acolheu tão bem, meu pai. 

Falo de uma família destroçada pelo vício alcoólico, por uma pessoa que gostaria de comemorar datas com a família reunida, em paz, com sorrisos. Falo do medo de viver, de cadeados na janela, insegurança por não poder contar com a polícia. Falo da esperança no olhar dos meus irmãos, da indecisão no coração da minha mãe, nas juras do meu pai. Falo da minha história.

Procurem ajuda, não deixem que qualquer tipo de vício seja capaz de destruir todos os seus sonhos e planos. E se você é mãe, assim como eu, saiba que tens total controle em decidir se é isso mesmo que você quer para a sua vida e a do seu filho. Pode ser que a pessoa mude, mas se não ver mudanças, não espere 15 anos para tomar a atitude de se separar.

Mãe, parabéns pela coragem! Esse post é todo seu! Eu te amo com todas as minhas forças. Tenho orgulho da mulher que é, da força que tem e sei que, daqui pra frente, o mundo é todo seu! Estarei sempre do seu lado, como sempre estive. Que esse recomeço seja repleto de realizações. Deus sempre esteve do nosso lado, e agora não seria diferente. Não é fácil, mas ninguém disse que seria.  Pra frente, sempre!