05 abril 2015

Minha opinião: BLW

Antes de dar minha opinião e contar minha experiência, quero que você entenda que não estou julgando a atitude e escolha de ninguém. Aqui é um espaço onde podemos dividir experiências! 


Para compreender melhor o que eu vou falar, entenda sobre o assunto aqui: 
"Para muitas mães, o momento de começar a introdução alimentar é também a hora de preparar papinhas. Tradicionalmente, são batidas com vários legumes e ficam em consistência cremosa para serem dadas aos bebês. No entanto, nos Estados Unidos, Europa e agora começando aqui no Brasil, muitas famílias vêm aposentando o liquidificador e apostando na alimentação “self service” para bebês. Elas aderiram ao BLW, Baby Led Weaning, ou em tradução livre, O Desmame que o bebê lidera. O termo foi criado pela consultora em saúde Gil Rapley e a técnica vem ganhando adeptos no mundo inteiro.
O método é bem simples, significa, basicamente, colocar o bebê à mesa junto com a família na hora das refeições e deixar que ele pegue, com suas próprias mãozinhas, pedaços de alimentos. Ele prova. Se gostar, come, se não gostar, não come. Os especialistas explicam que a partir dos seis meses a criança já está apta a comer pedaços (e não apenas papas) e não corre mais o risco de engasgar. O período coincide com o recomendado pela Organização Mundial da Saúde para o início da introdução alimentar, ao término do aleitamento materno exclusivo.
O grande medo quando se fala em deixar o bebê comer pedaços grandes é o de engasgar. Por isso, os especialistas em BLW enfatizam que o bebê jamais deve ser deixado sozinho quando se alimenta, que todo o processo deve ser sempre supervisionado por adultos. Se o bebê demonstrar que vai engasgar, o adulto pode ajudá-lo. No entanto, os especialistas garantem que o bebê passa a entender o mecanismo do engasgo e começa a evitar que aconteça, partindo o alimento em pequenos pedaços na boca ou amolecendo-o, antes de engolir." (trecho retirado daqui: http://mamae-e-bebe.bebe.abril.com.br/nada-de-papinhas-reportagem)

O que eu vivenciei:
Vou começar a falar pelo costume da sociedade em querer modernizar tudo à sua volta e, até métodos antigos, ganham palavras novas e especialistas no assunto. Esse ato é praticado pela minha avó desde os seus 30 anos, quando foi mãe pela primeira vez. Fazendo as contas, 40 anos NO MÍNIMO, que isso existe.
Bem, logo depois que eu engravidei o tal do BLW "explodiu". Foi um sensacionalismo gigantesco, todas as mães apoiando e sem ir atrás do fundamento. Até ai, tudo bem. 
Minha avó usava quando estava com pressa de dar a comida, ou quando os filhos queriam brincar com a comida, e para distrai-los, ela dava o alimento na mão enquanto todos comiam. No fim, pausava seu almoço para saciar as barriguinhas que choravam de fome! 
O bebê passou 6 meses se alimentando apenas de líquido, sem nada a mais. De um dia pro outro, começa a introdução alimentar. Mesmo que seja oferecido o suco, ele ainda é liquido. Nessa introdução, você vai oferecer os alimentos gradativamente. 
Pense comigo: é como se você só andasse de bicicleta, e de um dia para o outro, você seja obrigada a dirigir entre caminhões. Você vai se apavorar, afinal, é uma experiência nova. Consegue entender?
Ok. Começamos com as sopinhas, papinhas, purês, misturando um alimento com o outro, e assim o bebê vai se adaptando essa nova fase. Vai diferenciando texturas e tamanhos. 
É como se você entrasse na auto escola!
Já no BLW, o bebê começa segurando o alimento e colocando na boca. Isso, ele mesmo pega o alimento e leva até a boca. Da a mordida do tamanho que ele conseguir. E se ele afogar? Bem, você o ajuda. 
Eu não sei vocês...mas eu não consigo ver minhas filhas na agonia do engasgo. Pode ser que seja nosso histórico com a UTI, ou não. Eu não consigo. Preciso ajuda-las, meio que instinto materno mesmo.
Voltando ao nosso método tradicional... O bebê já conhece diversos sabores, texturas, e começa a fazer o movimento de mastigar. Ele já tenta segurar o talher e leva até a boca. 
Em todas as refeições elas ficam satisfeitas. Quando experimentei introduzir o método da minha avó BLW, elas choravam de fome depois de 1 hora. A comida estava toda no chão, elas sujas, e de barriga vazia. Afinal, qual a importancia disso tudo quando seu filho precisa ter "liberdade" aos 6 meses? 
Minhas filhas já levam o talher na boca, com a minha ajuda. Estão bem nutridas, vivem bem alimentadas, e já comem pedaços de alimentos.
Por que as mães "modernas" querem adiantar passos e desenvolvimento dos seus filhos? A pergunta que eu mais recebo é: "Como eu estimulo meu filho para sentar/engatinhar/andar/falar?" sendo que os bebês ainda não estão na fase cronológica. 
Estimular é bom, sem dúvidas disso. Mas ultrapassar limites é desesperador. Seus filhos sofrem, ficam irritados. Mesma coisa com o alimento! 
Não é atoa que para tirar a carteira de habilitação seja necessário 18 anos, e diversas provas. Tanto práticas quanto teóricas. E mesmo assim, algumas pessoas não conseguem.
Use esse exemplo pra sua vida, em qualquer situação. Cada coisa tem seu tempo para acontecer.
Não se preocupe, seu filho não vai casar comendo papinha. 

Aqui não funcionou! Isso não quer dizer que na sua casa não vá funcionar e trazer benefícios! ;)